IJAPY - Divindade da Sabedoria - Gota do Orvalho

Atualizado: há 4 dias

Ela tem todos os Segredos da Terra.

Uma deusa ancestral que resgatou o povo Guarani após a grande inundação.


ITCHAPY é uma das “deusas” presente nas plantas que fluem em cima das águas doces.

É um espírito muito antigo, que vive entre o Céu, a Terra e a Água.

Alguns contam que este espírito é Nossa Mãe.


Conta-se que numa aldeia, morava uma menina que se chamava Itchapy (gota de orvalho). Ela gostava de brincar com raminhos de flores. Um dia Itchapy estava batendo o raminho na água quando Araretê - a deusa que salpica cores no Céu, no Universo - passava por ali. Ela também estava com um raminho nas mãos. Araretê batia o raminho no mar e nas águas doces para trazer cor às espumas e aquele brilho do sol refletido na água quando ela balança. Mas Araretê não prestou atenção e acabou jogado uma gota de orvalho nesta menina, que ficou linda e encantada. Itchapy teve muitos pretendentes e até os deuses se apaixonaram por ela.


Neste tempo, muito antigo, éramos como deuses e transitávamos entre este mundo e o mundo onde habitava Nhanderu - Nosso Pai. Mas nós estávamos cheios de problemas, muito orgulhosos e Nhanderu disse que não merecíamos continuar indo até o outro mundo. Nhanderu, então, tirou nossas asas e pensou em exterminar o ser humano (Guarani) e os animais.

Ele fez chover, encheu a Terra de água. Foi enchendo, enchendo...até chegar na porta da casa Dele.


Itchapy já era um mulher muito linda. E todo mundo gostava dela. Protegida por todos, recebia muitos cuidados e assim foi subindo nos montes mais altos, enquanto a chuva ia enchendo tudo.

Um dos deuses que morava lá com Nhanderu, abaixou a folha de uma das palmeira s azuis (palmeiras sagradas que ligam todo o Universo e seguram a Terra) para que a linda Itchapy pudesse subir nela. E ela foi subindo e estava chegando na porta da casa de Nhanderu. Mas Ele percebeu que ela só conseguiu por causa de sua beleza, e não por seu merecimento. Então, a derrubou de lá. Mas ao vê-la cair na água, Nhanderu ficou com dó e a transformou numa rã.


E qual a moral da história?

Poty Djá (Dona Rosa) – anciã da aldeia Yynn Moroti Wherá - perguntou à Djatchuká (Celita Antunes): Porque as rãs dão tantos ovos?


...Porque a rã é um ser que transforma vida.

Água doce é vida, vida e vida. Sem a água nós não existiríamos.

Água doce é igual a água salgada, ela se transforma.

O esperma, a água do Útero,...geram vida!


ITCHAPY tem esta tarefa, transforma e multiplica a água em vida. Ela está presente nas plantas aquáticas, que trazem todo o “DNA”, todo o conhecimento dos nossos mais antigos antepassados. Na história ela se transforma na gota do orvalho e paira na Mãe Terra. Ela, então, carrega toda a Sabedoria de todo o planeta. Está tudo dentro desta gota. Tudo com esta Deusa!


Para o povo Guarani a Água é “A Mais Sagrada”. Nada é mais importante do que Ela.

Na cerimônia, Ela é rezada duas vezes: Na hora do primeiro canto do Galo, na madrugada, se reza para a Água do Rio, é a água dos guardiões do Fogo.

E pela manhã, se faz o rezo da Água Salgada, que é a água segurando a semente que está dentro do nosso útero. Semente que vira fruto, que vira Ser.

Então, o povo Guarani reza a semente, o corpo e o fruto, pela manhã, junto com o Sol para que ele fertilize tudo isto.

...E assim, nós somos formados.


(narrativa oral: Djatchuká - Celita Antunes)



8 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo