A Kabbalah e a tradição indígena trouxeram para a minha vida a consciência do sagrado, sempre presente em tudo, em todos os seres, em todas as coisas.

A divisão entre Céu e Terra, entre Princípios Masculino e Feminino, entre Espírito e matéria, Luz e sombra, simplesmente funciona como didática para entendermos a Unidade. Se é que é possível compreendê-la na sua profundidade. No Taoísmo, princípio do Feng Shui, a Unidade/TAO é formada pela dança/movimento dessas duas polaridades, que são inseparáveis. Com base nesse olhar, as dificuldades da vida e as tendências negativas são acolhidas e transformadas.

 

O“ruim” também é sagrado!

Na maioria das vezes,o “mal” é responsável por chamar a nossa atenção para questões que precisam ser trabalhadas; talvez nos acorde para questões que devam ser iluminadas.

O sistema Ambá Ÿu tem como fundamentos o Feng Shui, a kabbalah e a tradição indígena brasileira. Todos compartilham a ideia de mundos que se conectam e pulsam simultaneamente. Unem a eterna Emanação (espiritual), formação (consciencial) e manifestação (material) da vida.

 

Quadro de correspondência

Sagrado - Tabela 2

Se tudo o que existe contém em seu interior a experiência trazida desses mundos, que pulsam ao mesmo tempo, fica fácil entender que não é possível separar o sagrado do mundano. Há uma coexistência.

Olhar a casa e o jardim, os escritórios, os ambientes comerciais, entre outros, através dessa lente mais inclusiva (aceitando o bem e o mal e unindo o Espírito à matéria) é uma excelente opção para vivermos melhor, mais alinhados ao fluxo divino e mais tranquilos em relação ao curso dos acontecimentos.

O mapeamento dos ambientes tem como função principal ajudar no olhar consciente para aquilo que estamos atraindo e que se apresenta para ser vivenciado no nosso dia a dia. Algumas áreas de vida são detectadas, através do espaço físico,como mais frágeis; outras, mais abundantes. E parece que passar com mais harmonia pelos desafios que algumas delas trazem depende da aceitação de que essas relações entre Emanação, formação e ação existem. A sabedoria no caminhar dependeria, também, da confiança no fluxo divino, independentemente da tradição religiosa seguida ou da visão espiritual escolhida. Cada pessoa tem suas crenças, tem sua forma de reverenciar os Mistérios da Vida, o Sagrado!

 

Kuaracy Korá

Inspirado pela representação da cosmovisão ancestral, deixada pelos antigos Tupi (5 mil a 3 mil anos), através de círculos de pedras no chão, o sistema Ambá Ÿu propõe a formação do Kuaracy Korá (Círculo da Emanação Mãe) de forma simples.

Na antiga tradição Tupi, o Mundo Verdadeiro é de Pura Luz. Ele é fonte de tudo o que existe, existiu e passará a existir. Essa irradiação permanente tem o nome de Kuaracy (Emanação mãe). Três círculos eram utilizados, pelo povo ancestral, para representar o Mundo de cima (Emanação da vida – Fonte irradiadora eterna e infinita), o Mundo do meio (modelação – aspectos e energias que modelam as diversas formas de vida) e o Mundo de baixo (manifestação – ancora toda a emanação de vida através dos quatro reinos).

O círculo central (Emanação) pode ser representado por uma pedra maior ou por uma vela, que pode ser acesa em momentos de oração ou meditação.

O círculo do meio (modelação) deve ficar bem próximo ao central e conter, em cada uma das quatro direções (norte, sul, leste e oeste), uma pedra.

 O círculo de fora (manifestação) é maior, preferencialmente formado por várias pedras, e ter, nas mesmas quatro direções, pedras maiores ou outras simbologias, que precisam ter significado para a pessoa e devem ser escolhidas pelo coração e com muito respeito. Apresento algumas sugestões, que podem ser alteradas e adequadas à realidade de quem está criando seu próprio círculo:

  • Jakairá (Sagrado poder do Ar – direção norte: sol no alto): incenso, ametista (pedra que fortalece a Mente superior) e penas.
  • Karaí (Sagrado poder do Fogo – direção leste: nascer do sol): imagem do Sol, citrino(pedra que tem a energia do Sol).
  • Iacy (Sagrado poder da Água – direção sul: não tem sol): flor, água, apofilita (pedra que tem água no seu interior. Voz interior).
  • Tupãcy (Sagrado poder da Terra – direção oeste: pôr do sol): quartzo rosa (pedra do amor) e um pouco de terra fértil.
  • Centro (O Pai Céu, a Mãe Terra e o Grande Som): vela ou cristal irradiador.

Sagrado - Mandala

Essa “mandala” pode ser utilizada no jardim ou na área interna.Funciona como um altar, no sentido de reconhecimento da natureza como reverberação do Divino. É um elo que nos une à nossa origem indígena, que abre caminhos para uma relação mais harmoniosa com a história, com o local que habitamos e com a nossa própria natureza (Somos filhos da terra, da natureza!). Trata-se de um símbolo que pode ser vivificado pela nossa sintonia e com a presença de elementos naturais.

 

Se você sentiu vontade de reverenciar a vida, o Céu e a Terra, faça um Kuaracy Korá em sua casa, honre sua ancestralidade e simbolize essa conexão!

Que a consciência do Sagrado possa fazer parte de nossas vidas hoje e sempre!

Para facilitar, estou desenvolvendo, com a ajuda de uma “artista de mandalas”, uma de 20 cm de diâmetro que pode ser utilizada como base para o seu Kuaracy Korá. Ela é feita em MDF, trabalhada artesanalmente. Vem acompanhada de pedrinhas de rio e uma velinha. Caso tenha interesse em adquirir, é só entrar em contato.
 
 

 © Todos os direitos da foto Divine Sight, que ilustra este post, são reservados a FlorentCourty.