Yin-Yang (tradição chinesa), Kat’miê-Wak’miê (tradição tapuia), as polaridades!

A Unidade se divide em duas polaridades para que o movimento aconteça, para que todas as coisas se formem.
O céu e a terra, o Espírito e a matéria, o claro e o escuro, a luz e a sombra, o bem e o mal, o Masculino e o Feminino, em cima e embaixo, o seco e o úmido, o ativo e o receptivo…
Um não existe sem o outro. A junção das duas partes possibilita o desenvolvimento da vida. Então, podemos dizer que duas forças sutis trabalham na formação de tudo o que existe; e a harmonia dos espaços também depende da dança entre elas.

As casas, os ambientes de trabalho e de lazer, todos devem possibilitar a vivência de atividades e de repouso, de expansão e de introspecção/concentração.

No ambiente de trabalho, por exemplo (home office, sala de estudos dos filhos ou dentro das empresas), devemos considerar diferentes formas de iluminação, conforme a atividade desenvolvida:

  • Atenção e concentração: para o desenvolvimento de tarefas que exigem atenção e concentração, ela deve ser mais pontual. Podem ser usadas luminárias com foco direcionado ou pendente sobre uma mesa.
  • Criatividade e inspiração: para “abrir a mente” e expandir, desenvolvendo a criatividade e a inspiração, as áreas com iluminação ampla e espaços vazios são mais indicadas. Elas liberam o pensamento e potencializam maior amplitude para as ideias.

Ao observarmos os espaços básicos de um lar, percebemos que alguns são destinados ao repouso e descanso e outros voltados para o desenvolvimento e atividades. Mesmo com essa divisão, um mesmo ambiente ora passa por momentos que pedem uma energia mais silenciosa e introspectiva, ora requerem mais ação e movimento.

Por exemplo: uma sala pode ser destinada a receber amigos e festas, indicando que o dinamismo deve imperar; mas, em outros momentos, ela pode ser um local de descanso e relaxamento para seus moradores, o que indica a necessidade de uma decoração mais aconchegante e intimista.

Nesses casos, é importante equilibrar o ativo e o receptivo através de objetos de decoração aliados às tonalidades das cores e, principalmente, aproveitar a luminosidade, tanto natural quanto artificial, para “criar o clima” que se deseja.

No mapeamento do sistema Ambá Ÿu, detectamos quais áreas são mais propícias, vibracionalmente, para serem receptivas, acolhedoras, intimistas (Yin, Kat’miê), e quais as mais indicadas para serem ativas, dinâmicas, expansivas (Yang, Wak’miê), facilitando a harmonia dos espaços e permitindo uma vivência mais saudável. Indicamos, então, para Acalmar ou Ativar o espaço em questão.

  • Acalmar: use cores e objetos que propiciem a calma e a tranquilidade. O ambiente deve passar a sensação de proteção, acolhimento. Evite muita atividade e movimento. O que predomina é a paz e a receptividade. Crie “um clima” mais introspectivo, aconchegante ou relaxante. Nesses casos, o ambiente pede a presença da força Feminina, receptiva.
  • Ativar: use cores e objetos vibrantes, alegres, com muito movimento. Essa área deve ser um lugar de atividade. Pode ter grandes aberturas como janelas e portas. Circule, movimente, traga luz e som! Nesses casos, o ambiente pede a presença da força Masculina, ativa.

E se observamos melhor, vamos entender que o espaço é um prolongamento de nós mesmos. Há momentos em que buscamos paz, silêncio e quietude; e outros em que queremos agitação e movimentos. Assim fica bem fácil perceber a importância de uma boa decoração e arquitetura, porque elas permitem que o ambiente se adeque às necessidades, que siga o fluxo natural da vida, que dance, unindo as polaridades sem perder a identidade!

Tudo aquilo que for muito estanque, muito fixo, que impeça transformações, mudanças e a dança, pode ser um complicador na harmonia. A mesma janela que se abre para o sol também se abre para a chuva ou para a Lua, assim como pode se fechar para o interno, deixando, por um momento, as relações externas em descanso!

Essa liberdade de escolha, essa capacidade de se adaptar àquilo que surge, gera liberdade e permite o livre fluir da vida. Num ambiente, aberturas, cortinas, mantas, almofadas, tapetes e demais objetos de decoração nos ajudam a criar espaços propícios para a dança do ativo e receptivo, que vão reverenciar a Unidade!