“(…) podemos dizer que o ambiente

precisa ter sintonia conosco, vibrar seu

próprio tom, sua identidade e, ainda, estar

conectado à diversidade da natureza.”

 

Você já pensou em harmonizar a sua casa com música, com sons da natureza, com seu próprio tom? Algumas construções guardam memórias densas que podem interferir na vida que acontece ali. É comum ouvirmos falar que as paredes têm memórias, que elas têm ouvidos, etc. São ensinamentos da sabedoria popular que fazem muito sentido, pois toda matéria pode guardar registros vibracionais do que aconteceu ao seu redor.

Nesses casos, lixar e pintar as paredes, fazer o mesmo com os mobiliários, trocar revestimentos, entre outras coisas, pode ajudar muito. Às vezes, uma simples e boa faxina resolve bem o problema. Passar a fumaça de ervas queimadas, como sálvia, alecrim e lavanda também traz um novo movimento ao espaço. Alguns sprays de ambiente, com florais e óleos essenciais específicos, também podem ser usados. Orações, reiki e demais técnicas de imposição de mãos são sempre bem-vindas!

E a música surge como uma opção maravilhosa, porque ajuda a transformar aquilo que se apresenta, além de trazer uma nova sintonia que pode ser, o tempo todo, lembrada e potencializada ao ser tocada no ambiente, principalmente quando junto das pessoas que habitam e convivem no local.

 

A Música na Tradição Indígena

Aprendi com Kaká Werá Jecupé (escritor, ambientalista e empreendedor social, de origem indígena) que a palavra tupi – que é o próprio ser humano – significa som assentado. Todo tupi é filho de Tupã, o Grande Som. Somos, então, sons em forma, sons materializados!

O povo Guarani nos vê como uma flauta em pé, onde cada orifício dela corresponde a um vórtice de energia (assim como os chacras da tradição hindu), chamado de ierê. Cada um deles vibra uma cor do arco-íris, um tom, uma vogal.

  • Alto da cabeça: cor violeta e “som do silêncio” “MB” (vocalização: mmmmmb).
  • Testa (entre os dois olhos– terceiro olho): cor índigo, som da vogal I (vocalização: iiiiiii).
  • Garganta: cor azul, som da vogal E (vocalização: eeee).
  • Peito/coração: cor verde, som da vogal A (vocalização: aaaa).
  • Boca do estômago: cor amarela, som da vogal O (vocalização: ooooo).
  • Região do umbigo: cor laranja, som da vogal U (vocalização: uuuuu).
  • Base da coluna: cor vermelha, som da vogal Ü (vocalização: â. U gutural).

Os três primeiros (“MB”, “I” e“E”) são mais sutis e os quatro seguintes (“A”, “O”, “U” e “Ü”) trazem a força dos quatro elementos que nos formam.

  • A: ar (inspiração).
  • O: fogo (vitalidade).
  • U: água (sensibilidade).
  • Ü: terra (materialidade).

Ao cantar e emitir sons harmoniosos estamos revitalizando nossos vórtices de energia, alinhando nosso Ser e fortalecendo nossa própria natureza.

 

A Música na Harmonização de Ambientes

O canto dos pássaros, das baleias, o som das águas da chuva, do fluir de uma cachoeira, as batidas das ondas do mar nas pedras, o assobio dos ventos, o crepitar das chamas são sons muito especiais que carregam dentro de si a força do ar, da água, da terra e do fogo! Sons que podem nos reconectar à Essência e trazer muita harmonia para nossa vida. O ambiente se transforma quando trazemos para dentro de casa esse fluxo vital!

Se considerarmos como principal função dos espaços o acolhimento de pessoas e suas relações, podemos dizer que o ambiente precisa ter sintonia conosco, vibrar seu próprio tom, sua identidade e, ainda, estar conectado à diversidade da natureza.

O sistema Ambá Ÿu, em sua proposta de harmonização e interação local-pessoal, conta com o trabalho de um músico sintonizado com a sabedoria dos sons: Luís César Aguiar, ou Luca, como é mais conhecido. Ele cria músicas específicas para pessoas e seus ambientes, respeitando a sintonia de cada um e os resultados diagnosticados no mapeamento realizado.

Neste site (www.deboradalsasso.com.br), você pode ouvir uma de suas criações. Essa música foi desenvolvida por ele para esse ambiente virtual. Une características minhas com as de meu trabalho, trazendo consigo uma vibração harmoniosa para a fluidez da energia vital nos espaços.

Aproveite a oportunidade, experimente deixar a música tocando, sinta a suavidade do movimento e inspire-se! Em alguns momentos, preencha os ambientes com sons agradáveis e curativos, promovendo elevada sintonia em seu lar e na sua família!

 

© Todos os direitos da foto Music of Nature, que ilustra este post, são reservados a acidburn08.