É importante que os três níveis estejam

sendo cuidados. Então, o conjunto teto,

paredes e chão passa a representar,

de forma simbólica, essa unidade.

 

O sistema Ambá Ÿu (harmonização de ambientes e pessoas) deriva do Feng Shui. Além disso, traz inspirações da kabbalah e da tradição indígena brasileira. Estudando alguns princípios dessas três sabedorias, podemos dizer que:

O taoísmo (origem do Feng Shui) considera três universos:

  • Consciência (Shen/Espírito e Huen/Alma);
  • Energia;
  • Corpo.

Na Kabbalah, existem quatro mundos:

  • Azilute (Emanação);
  • Beriah (Criação);
  • Yesirah (Formação);
  • Assyah (Ação).

Na tradição indígena brasileira, de forma geral temos:

  • Mundo de cima (Emanação);
  • Mundo do meio (Modelação);
  • Mundo de baixo (Manifestação).

Mergulhando um pouco nessas cosmovisões e nas suas relações, podemos dizer que há um “mundo” que é causa, de pura luz, de pura emanação. Essa luminosidade começa a ser moldada num outro “mundo”, numa determinada frequência, onde aquilo que era pura luz começa a “sonhar”suas formas. E, então, as formas se fazem, as ações acontecem e o mundo se manifesta em toda a sua diversidade.

Estamos falando do Espírito, do consciencial e do físico. Mas não há uma separação rígida entre essas visões, uma permeia a outra, elas se relacionam e se integram. Portanto, a separação citada aqui funciona, apenas, como uma forma de entendimento lógico sobre o pulsar da vida, que é totalmente misterioso.

No Espírito, falamos de unidade, de onde tudo parte. Podemos relacioná-lo com o universo da consciência (Shen/Espírito), no taoísmo, com Kuaracy/Emanação Mãe na tradição indígena brasileira e com o Mundo de Azilute na kabbalah.

No consciencial, falamos  da vibração sutil, “sonhada”, que se inicia em perfeição e que vem se adensando até chegar ao físico.

Aqui, no físico, na matéria, tudo se manifesta, interligado à emanação inicial e às vibrações do que é sonhado.

Sentimos, em nosso interior, o mesmo movimento. Fazendo parte da emanação (portanto, dentro do Espírito/aquele que contém tudo), somos formados pela integração de três “eus”:

  • Eu divino ou eu interior: é o nosso contato com a espiritualidade, com a perfeição de tudo o que existe. A intuição aparece como capacidade elevada do pensamento superior e nos permite acessar essa alta vibração, contactar com a alma. Tem sintonia com o consciencial;
  • Eu superior: em seu estado mais harmonioso, vibra a psique superior/alinhada.Onde os aspectos emocionais em harmonia criam formas valiosas.Tem sintonia com o psíquico;
  • Eu inferior ou básico: é manifestado, é físico, ligado à ação, à realização. Os aspectos sensoriais em equilíbrio potencializam a manifestação da vida. Tem sintonia com o físico.

Nos ambientes, estes eus integrados aos mundos podem ser trabalhados na decoração. É importante que os três níveis estejam sendo cuidados. Então, o conjunto teto, paredes e chão passa a representar, de forma simbólica, essa unidade.

Casinha6

Algumas dicas para harmonização de ambientes:

  • Mantenha as pinturas de teto e paredes em bom estado, com cores que tragam boas sensações aos moradores;
  • Pise sobre um chão estruturado e seguro;
  • Escolha, com carinho, observando as sensações, o revestimento do chão;
  • Crie ambientes diferenciados com o uso de tapetes ou desenho de piso;
  • Utilize luminárias e objetos pendentes (sinos dos ventos, cristais, mandalas…) que tenham valor simbólico, que sejam bonitos (estética bem dosada potencializa a harmonia) e que remetam à luz divina;
  • Escolha quadros, papéis de parede, fotos e demais objetos para decorar o “mundo do meio” com aquilo que você deseja que se manifeste em sua vida;
  • Promova a organização e limpeza nesses três níveis;
  • Traga a natureza para perto, promovendo uma decoração e uma arquitetura natural, mais viva e saudável.